Notícias em destaque

NOTA DE REPÚDIO SOBRE BLOQUEIO ABUSIVO DOS SALÁRIOS

0

O SINTRASE, como representante legal dos servidores da Administração Geral, vem a público demonstrar repúdio a mais uma ação arbitrária cometida pelo Governo do Estado. Ao que parece uma retaliação pela retomada da greve da categoria, os servidores do estado tiveram nesta sexta, dia 1º, os salários bloqueados indevidamente, já que a Justiça não decretou a ilegalidade do movimento paredista. Apesar de não ser novidade que a gestão de Jackson Barreto comete irregularidades e dificulta a situação do servidor público estadual, com atrasos dos vencimentos, parcelamento do 13º e pagamentos de baixos salários, a categoria – que retomou a greve no último dia 8 de junho porque recebeu o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) com valores defasados, (correspondentes a 2014) e na última assembleia, em 28 de junho, decidiu continuar a paralisação – foi prejudicada mais uma vez por uma ação abusiva do Governo. A greve é a instância dentro da legalidade em que uma categoria luta por seus direitos e, por isso, não deve ocorrer mecanismos de coerção, ainda mais de forma ilegal, para que um trabalhador seja prejudicado. Diante do exposto, o SINTRASE desde as primeiras horas da manhã de hoje (1º) esteve coletando documentações, como ficha financeira e saldos de contas bancárias dos servidores que foram prejudicados, para ter acesso concreto aos descontos e bloqueios. Também, ao longo de todo o dia, foram denunciadas as arbitrariedades do Governo à imprensa em geral, pelo presidente e por diretores do SINTRASE, com entrevistas a jornais, rádios e televisão. Na área judicial, o setor jurídico do sindicato vai impetrar com um mandado de segurança, para que a situação venha a se normalizar o mais rápido possível.

post notai

Sintrase recebe peritos para solicitar adicional de insalubridade

Previous article

Após 27 dias de paralisação, servidores decidem encerrar greve

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.